Rua de Xabregas, 67, 1º

1900-439 Lisboa

Telefone

21 868 11 07

Horário:

Seg-Sex: 10h00 às 18h00

Convento de São Félix

O Convento de Freiras Agostinhas ou Cónegas Regrantes, da invocação de S. Félix e Santo Adrião já se encontra na freguesia de Marvila.

A data da fundação do Mosteiro, de características românticas, perdeu-se na origem dos tempos, o que para alguns historiadores atesta que foi edificado antes da nacionalidade portuguesa. Outros cronistas afirmam que a fundação do convento de Chelas terá sido anterior ao nascimento de Cristo e, defendem, que foi o primeiro templo pagão a ser convertido ao cristianismo.

Aqueles que defendem a origem mais antiga afirmam que o Convento de S. Félix foi construído no século VII antes de Cristo e que é a clausura mais antiga de Lisboa e seus arredores, tendo sido objeto de diversas remodelações.

Conta a tradição, descrita por Vilhena Barbosa, que no ano de 666 apareceram nos terrenos fronteiriços ao largo de Chelas os dois grandes caixões em mármore contendo as relíquias de S. Félix e dos seus doze companheiros, martirizados na Catalunha, no ano de 301. Os caixões navegaram durante três séculos no Atlântico, vindo parar ao local onde depois seria erigido o convento sob a invocação de S. Félix. Mais tarde, em 804, o conde Servando depositou no convento as relíquias de Santo Adrião e de Santa Natália. Desde essa data, o convento de Chelas passou a chamar-se de Santo Adrião e de S. Félix.

As relíquias dos 26 santos padroeiros do mosteiro foram colocadas, em 1604, em esculturas mandadas fazer por D. Luiza de Noronha, que as colocou nos altares da capela principal da igreja.

Um marco miliário, dedicado ao imperador Adriano, descoberto na zona da atual estrada de Chelas, e que provava ter sido aquela via uma antiga estrada militar romana, esteve durante muitos anos nos terrenos do convento.

  1. Afonso Henriques, em 1147, D. Sancho I, em 1220-26, e D. Manuel, em princípios do século XVI, foram os principais obreiros das reconstruções.

A igreja, monumento nacional, tem um portal manuelino interessante e tinha muitos azulejos, na frontaria.

No Convento de S. Félix entrou, aos oito anos de idade, prisioneira com a mãe e a irmã do Marquês de Pombal, a célebre poetisa Marquesa de Alorna, que esteve no Convento até aos 18 anos.

O Convento de S. Félix sofreu diversas remodelações ao longo dos tempos. O grande terramoto quase o destruiu, tendo a igreja que ser reconstruída, praticamente, de raiz.

Durante o liberalismo, o convento foi profanado, perdendo o seu interior o aspeto religioso, uma vez que foi adaptado a outros fins.

As viúvas dos oficiais mortos no Ultramar, nos últimos anos de monarquia, foram aqui recolhidas. Do mesmo modo, o velho convento de cor parda, pertença do estado, serviu de residência a outras famílias pobres e aos operários da Fábrica da Pólvora. Esta unidade industrial – a Fábrica Nacional de Munições e Armas Ligeiras -, esteve aqui instalada, em 1955, e só anos mais tarde foi transferida para Braço de Prata.

No espaçoso largo, em frente do convento, houve, em tempos, muitos arraiais populares, que historiadores afirmam terem sido bastante concorridos.

Quanto ao vale de Chelas, os historiadores afirmavam que era bastante povoado, abrangendo uma área significativa. Atravessado ao meio pela linha férrea, o vale tem início junto ao Tejo, entre o Mosteiro da Madre de Deus e a antiga Fábrica dos Tabacos de Xabregas. Em tempos muito remotos, supõe-se que passasse pelo vale um pequeno braço do Tejo: um esteiro que acabaria por secar deixando, contudo, os terrenos férteis.

Um enorme pinheiro manso dava uma grandiosa sombra ao Convento de S. Félix e ao largo, numa zona onde predominavam os olivais e hortas verdejantes.

Menu